sábado, 29 de agosto de 2009

Vídeos de outro Sopa de Letrinhas

Uia! Achei no YouTube:

Fotos!

Fotos do mesmo Sopa de Letrinhas do post anterior. No Palco e com nossa amiga Solange depois do som.




O último Sopa de Letrinhas no Villagio!

Essa sexta feira aconteceu o último sopa de letrinhas no Villagio, que, infelizmente, vai fechar por motivos de força maior. Mas vem aí o Bagaça!
Tocamos algumas músicas e a Solange filmou. Os vídeos estão aí:



sábado, 22 de agosto de 2009

O Brega - capítulo 6 (por Frederico Alfredo Rossi)

O Cupido de Bagdá

Quando São Paulo iniciou seu avanço em direção à implantação do transporte subterrâneo, o Metrô, na verdade ninguém sabia muito sobre escavações. Foram fazendo e aprendendo na tentativa e erro. Adivinhem quem participou dessa aventura? Waldomiro Peçanha, o Brega.
Cavava quase que na unha, e por pouco não foi dessa pra melhor. Esteve presente em diversos desmoronamentos, que nunca chegaram ao conhecimento público.
Após tanto trabalho, engenheiros, mestres e operários se tornaram “experts” no assunto. Enfrentavam qualquer terreno, os acidentes diminuíram, e não havia mais obstáculos intransponíveis.
O Metrô virou realidade, e a experiência de nossa heróica mão de obra se espalhou pelo mundo. A empresa que Waldomiro trabalhava foi contratada para uma empreitada no Golfo Pérsico. O Brega fez sua primeira viagem de avião. Ele e muitos de seus colegas.
Ao sobrevoar o deserto do Saara, Vitervino que estava na poltrona próximo à janela, deu um toque em Waldomiro que olhou e disse: - Hóme, seu menino... pelo tanto de areia que chegou a obra é grande hein?
E era mesmo.
Trabalhou algum tempo normalmente, e no dia de folga participou de uma conversa com alguns de seus colegas. Ficou sabendo que tinha alguns companheiros ganhando muito ouro cavando túneis, os túneis do Bin Laden. Waldomiro não pensou duas vezes e se alistou na legião dos cavadores. Abandonou o emprego, e foi com alguns colegas rumo ao deserto, conduzido vendado por algumas pessoas que falavam de maneira familiar, mas que não dava pra entender.
Ao chegar, sua venda foi retirada. Estavam dentro de uma caverna, com alguns túneis. Lembrou do início das escavações do Metrô, e logo constatou diversos problemas. Começou a apontar e falar e desenhar no chão. Foi quando o chefão perguntou ao interprete o que estava acontecendo. Então, Waldomiro Peçanha foi indicado para avaliar toda a rede de túneis, sinalizar as falhas e conduzir os reparos.
Escoltado a todo o momento por guardas armados, teve acesso aos mapas, e se espantou com a malha de túneis interligando diversas cidades e até países. O Afeganistão ligado ao Irã e ao Iraque, onde Bagdá era a grande estação central. De Bagdá saiam túneis que passavam pela Alemanha, França e até a Inglaterra. Da Inglaterra saía um para Washington nos Estados Unidos, que se ligava a Machu Picchu no Peru, que por sua vez se ligava a São Tomé das Letras em Minas Gerais, que terminava em Pomerode, Santa Catarina.
O início dos trabalhos foi logo na estação central, em Bagdá. Pediram urgência, pois ali haveria uma reunião muito importante. Trabalharam intensamente, e depois de alguns dias ficou uma beleza. Parecia até a estação Sé do Metrô. Estava tudo pronto para a esperada reunião. Por medida de segurança, Waldomiro ficaria de plantão.
Com guardas por todos os lados, chegaram várias pessoas vestidas para festa. Tinha música, mulherada, comida e bebida, uma fumacinha estranha e muita animação. A obrigação de Waldomiro era verificar rotineiramente todos os setores, e ao passar por uma tenda toda decorada, ouviu uma zoeira e deu uma espiada. Era uma suruba nojenta, homem com homem, mulher com mulher, um inferno. Olhando mais atentamente, reconheceu numa cama enorme, o Bush de quatro, o Bin Laden atrás e o Sadan enchendo a boca do Bush. Esse Bush, hein?
De lado, tinha um orelhudo chorando, e Waldomiro num esforço sobre humano de comunicação, perguntou o que estava acontecendo, e Blair lhe falou que o Sadan não queria nada com ele. Então, Waldomiro chamou Sadan de canto, e em outro esforço sobre humano de comunicação, levou uma idéia com ele, e o convenceu a dar uma chance para o Tony, que pulou de alegria.
O Brega foi convidado a passar férias em Londres, onde agora é conhecido como Sir Waldomiro Peçanha!

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Vídeo da Moral

A Evelyn Néias gravou a gente tocando e colocou na net, no UltrasomTV. Dá uma passadinha lá pra ver. Tem muitas coisas legais além desse vídeo que está ai em baixo.
video

sábado, 8 de agosto de 2009

Ainda sobre o encontro de compositores...

A Márcia e o Marcelo estão realmente agitando o encontro de compositores. Ele aparecem lá com o brechó completo, fazem propaganda, procuram parcerias, enfim, agitam a bagaça. Vale a pena olhar o blog do Bechó Ateliê Dona Rosa & Sebo Livraria Caixa Preta. O endereço tá aí:
http://www.brechoateliedonarosa.blogspot.com/
Grande abraço a esses novos amigos!

O Brega - capítulo 5 (por Frederico Alfredo Rossi)

Nos bastidores do poder

Peçanha trabalhou em diversos lugares. Fez de tudo um pouco. Quase sempre mal feito.
Dentre suas peripécias laborais, uma delas influencia sua vida até hoje.
Lá pelo final dos anos setenta e início dos anos oitenta, arranjou uma vaga de ajudante em uma metalúrgica.
Que merda de trampo. Chão sujo? Peçanha limpava. Carregar e descarregar caminhão? Peçanha o fazia. Limpar as máquinas? Era com ele. No organograma da empresa ele era o primeiro e único, de baixo para cima é claro.
Uma certa tarde ouviu um grito... um grito horrendo... um grito lancinante. Correu para ver o que era, e ao chegar próximo à prensa, quase desmaiou. Seu colega Muniz Crustáceo havia perdido o dedo. O sangue jorrava, Crustáceo berrava, e Peçanha dizia: CARALHO!
A limpeza era por sua conta. Aquele sangue com certo cheiro de conhaque, aquele dedo podre e fétido que foi para o lixo como um resto de algo que não serve mais para nada, era quase um alento naquele dia sem graça.
Semanas depois Crustáceo retornou ao trabalho e por uma manobra do destino se apegou a Peçanha e lhe pediu conselhos.
Crustáceo: - E agora companhêro? Que é que eu fasço de minha vidia?
Peçanha: - Que é isso companheiro? Entra pro sindicato! Monta um partido e fode todo mundo!
O tempo foi passando e o conselho de Peçanha foi tomando corpo, e como uma profecia do apocalipse foi acontecendo. Muniz Crustáceo sempre se aconselhando com Peçanha realizava prodígios jamais imaginados. Peçanha ficava com a parte suja da coisa. Comprava o conhaque, recolhia, transportava e distribuía o caixa dois, aliciava as meninas para as festinhas, e apagava os empecilhos que surgiam pelo caminho.
A profecia se cumpriu. A Besta tomou o poder para si, cuspiu sua peçonha e corroeu a confiança dos que lhe referendaram. Nesse momento, o Brega se viu envolvido em uma trama que o assustou. Saltou fora... ainda era tempo.
Anos depois, Peçanha soube que seu aconselhado após ter enfiado toda aquela ideologia no rabo, estava curtindo uma vida capitalista em Miami Beach, esbanjando os dividendos adquiridos com as comissões e agrados inerentes ao cargo ocupado, após desvanecer a esperança de milhões.
Que decepção!

ESTA É UMA OBRA DE FICÇÃO.

Algumas fotos




A Moral tem tocado no Encontro de Compositores em Santo André, e a galera tira fotos. Algumas dessas fotos a gente ve, outras não.
Ai em cima estão algumas fotos feitas pela Evelyn Néias. Ela também mantém um canal na Ultra Som TV com os vídeos que ela faz nos encontros. Confira clicando aqui!